O turismo enfrenta muitas mudanças desde o início da pandemia em 2020. Em face a essa nova realidade, fortes tendências surgiram e foram apontadas pelo Conselho Mundial de Viagem e Turismo, o WTTC, para nortear os profissionais e empreendimentos do setor quanto ao caminho a se seguir. Essas tendências são a valorização do turismo local, o crescimento do uso de meios virtuais para consumo em viagens e o maior suporte e procura por meios sustentáveis. Essas novas práticas devem ser incorporadas ao setor o quanto antes para que o turismo possa sobreviver à crise e se antecipar à gradual retomada em 2021.

A primeira grande tendência observada é a maior procura por destinos próximos, ou seja, o turismo local. Com as pessoas permanecendo mais tempo em casa, e as fronteiras internacionais fechadas, a procura por viagens curtas feitas com automóvel próprio cresceram bastante. Os turistas, cada vez mais, desejam sair de casa, mas sem segurança de se comprometer a uma viagem distante, optam por locais mais próximos. Segundo o WTTC, 

As preferências e comportamento dos viajantes se voltaram para aquilo que é familiar, previsível e confiável. Viagens domésticas, planejamento extensivo e atividades ao ar livre irão reinar no curto prazo, com empreendimentos turísticos e destinos já adaptados. 

Isso faz com que os destinos rural e de natureza sejam os grandes preferidos, já que os viajantes buscam mais contato natural e segurança sem aglomerações. Os empreendimentos locais podem crescer muito com esta nova oportunidade de demanda, basta oferecer um serviço qualificado e personalizado para cativar este cliente. 

Outra tendência apontada pelo Conselho Mundial de Turismo é a digitalização do consumo, ou seja, a compra de toda a viagem feita pela internet. O empreendimento e o destino devem estar conectados às redes sociais e a outros elementos virtuais para garantir a venda de seu destino e serviço. O consumidor deseja ter todas as informações em mãos para efetuar a compra, senão ele não terá acesso ao destino e não terá confiança para executar a viagem. O uso da internet no Brasil cresceu durante a quarentena: o aumento foi entre 40% e 50%, segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), e a alta foi ainda maior para servidores internacionais e a tendência é de aumentar cada vez mais. Com acesso mais facilitado, a decisão do consumidor passa a ser tomada em sua própria casa, antes de partir para a viagem. Não há mais espontaneidade, tudo deve ser bem planejado para que o turista tenha segurança. Os empreendimentos devem estar atentos aos protocolos e medidas de segurança contra covid 19, dessa forma poderão assegurar que seus funcionários e clientes sintam-se protegidos contra o vírus ou qualquer outro mal provindo da falta de higiene. Anunciar tais medidas pelas redes sociais ou sites da internet é primordial para transmitir confiança ao turista. Por isso os meios de comunicação virtuais são tão importantes para este momento. É assim que o consumidor vai saber dos serviços ofertados em um destino.

A terceira tendência listada já estava crescendo antes mesmo da pandemia, mas parece ter recebido mais atenção neste momento de reflexão do setor em geral.

Sustentabilidade é toda ação destinada a manter as condições energéticas, informacionais e físico-químicas que sustentam todos os seres, especialmente a Terra viva, a comunidade de vida e a vida humana, visando a sua continuidade e ainda a atender as necessidades da geração presente e das futuras de tal forma que o capital natural seja mantido e enriquecido em sua capacidade de regeneração, reprodução, e coevolução. (Sustentabilidade: tentativa de definição de Leonardo Boff).

Isso significa que as práticas sustentáveis no setor de turismo não abrangem apenas questões relacionadas ao meio ambiente, mas sim, três amplas dimensões – ambiental, econômica e social. De movimentos contra o racismo e o desemprego à recuperação de habitats naturais, o mundo tem enfrentado com rigor questões sociais, ambientais e de sustentabilidade institucional, como a proteção de matas nativas e vida selvagem. Aplicar e viver desses valores no turismo é fundamental para o crescimento e desenvolvimento contínuo e saudável do setor em todo o mundo. As práticas sustentáveis geram mais riqueza na identidade do local, além de responsabilidade social, econômica e ambiental.

Por conseguinte, as três tendências apontadas pelo WTTC podem se complementar e criar um conjunto de estratégias capazes de assegurar a continuidade do setor de forma sustentável, crescente, conectada e responsável. Os destinos podem e devem implementar esses conceitos para desenvolver toda a cadeia do setor e aprimorar os serviços ofertados para a crescente demanda reprimida. Ilustrando ainda mais essas tendências, o Conselho Mundial de Viagem e Turismo ainda afirma que

Saúde, segurança e confiança são conceitos predominantes nesses novos tempos. Experiências pessoais como o medo de encontrar-se preso em outro país, e a preocupação com o distanciamento social guiarão o comportamento do consumidor no curto e médio prazo. Empreendimentos terão que cooperar ainda mais uns com os outros com uma extensa cadeia de valores, para assegurar a vivacidade do negócio.

Muitas mudanças ainda estão por vir, mas essas são mudanças já consolidadas que podem enriquecer a experiência do turista no destino. Aproveitando da proximidade com fácil acesso às informações via internet e contribuindo para um futuro melhor para todos, o turismo é uma grande potência econômica que está em momento de pausa e reflexão para retornar triunfante em meio à crise e ao caos econômico. Se antecipar a estas tendências e planejar o futuro do setor é a atitude certa a se tomar em meio a tempos de incerteza.

 

Fontes:

Conselho Mundial de Viagem e Turismo – WTTC (https://wttc.org/)

Anatel e site G1 (https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/2020/06/11/com-maior-uso-da-internet-durante-pandemia-numero-de-reclamacoes-aumenta-especialistas-apontam-problemas-mais-comuns.ghtml)

BOFF, Leonardo. Sustentabilidade: tentativa de definição