Turistas, hoje, buscam ser protagonistas. Querem vivências genuínas, autênticas e personalizadas. Querem, além de somente viajar e descansar, ressignificar suas vidas, refletir, mergulhar numa realidade e num contexto cultural distintos. Mais do que tudo, pessoas querem se surpreender e vivenciar momentos inesquecíveis: isso é o turismo de experiência. 

Quem trabalha com turismo sabe das altas expectativas que o setor carrega. E, para atender às necessidades desse novo perfil de viajantes, é preciso refletir e repensar as formas de oferecer um serviço. Nesse caso, uma experiência diferente de tudo. Algo realmente único, que traz a essência de uma determinada região. 

Como fazer? 

Aspectos de singularidades 

 

Basta olhar com atenção para enxergar que todo destino turístico tem aspectos específicos: culturais, históricos, gastronômicos, ambientais (e tantos outros) que são vetores de atração de turistas. 

E é aí é que entra o turismo de experiência: como uma proposta diferente de vivenciar esse determinado destino dentro do que ele pode oferecer. São os chamados “aspectos de singularidades”.  

Quando trabalhamos sob essa perspectiva, os produtos formatados fortalecem a oferta turística da região. Isso porque diversificam e apresentam outros recursos que o destino possui para levar aos visitantes. Dessa forma, é capaz de aumentar a permanência média de visitantes, com a possibilidade de gerar mais renda para o destino como um todo.  

A diferença para o roteiro turístico é que ele é ligado muito mais a um itinerário, que conecta pontualmente a serviços da região. Pode envolver atrativos naturais, serviços, pontos de apoio, hospedagem, alimentação e cultura, mas sem necessariamente promover uma vivência real da comunidade que ali vive. 

Sendo assim, existe – ou deveria existir – no papel da gestão de turismo local ou de negócios associados ao setor espaço para o desenho de experiências que podem ser ofertadas. A partir dele é que será analisado a viabilidade de uma ideia. E, assim, se basear na identidade, para promover uma interação mais genuína com a realidade. 

 

Do desenho de experiência à realidade  

 

Da ideia à formatação e viabilização de um roteiro existe um caminho a ser percorrido. Antes de mais nada, é bom lembrar que para quem empreende e quer oferecer uma experiência turística é impossível pensar numa operação que fuja da realidade local. Portanto, deve ser viável tanto por parte do empreendimento quanto para o destino como um todo. 

E como identificar valor em cada negócio do território? 

Muitas vezes, o potencial de experiência fica mais latente na produção associada, pois envolve produção e entregas de produtos artesanais. Mas é possível buscar algo diferente em cada empreendimento e valorizar as histórias por trás das pessoas e seus saberes, gerar um estímulo para a interação entre turistas e território. 

Para que seja desenvolvido algo factível, o desenho de experiências está baseado em 5 princípios do design de serviços: 

1 – Centrado no usuário(a): as pessoas são protagonistas e estão no centro do processo; 

2 – Cocriado: envolve a participação de várias pessoas em seu desenvolvimento, como em parcerias; 

3 – Sequencial: as experiências devem ser visualizadas numa sequência lógica de uma vivência; 

4 – Evidente ou transparente: turistas devem conseguir enxergar todo o processo que será criado 

5 – Holístico: leva em consideração todas as partes de um negócio, incluindo seu contexto externo, do território em que está inserido. 

 

Experiências no Circuito Turístico Veredas do Paraopeba 

 

O desafio de um desenho de experiência consiste na integração de pelo menos três esferas: comunidade, território e turistas. Para nós da Turismo 360 Consultoria, isso demanda um método que guia os nossos projetos de desenvolvimento turísticos, e que depende da participação de todos atores desse ecossistema. 

É o caso do “Projeto para o fortalecimento da competitividade do setor privado do turismo”, que realizamos em parceria com a agência Circuito Veredas e com apoio da Vale, em 2020, para o Circuito Turístico Veredas do Paraopeba, em Minas Gerais. 

Ao todo, o projeto contemplou 50 empreendimentos do território de diferentes segmentos: produção associada, alimentação fora do lar, hotelaria e receptivo turístico. E o sucesso dele e impacto positivo que proporcionou só foi possível graças ao envolvimento e entendimento entre todas as pessoas participantes. 

A partir dele, foram formatadas 10 experiências autênticas dentro do Circuito Turístico Veredas do Paraopeba, que agregaram valor aos empreendimentos, mantendo a fidelidade com a essência local e aumentando a oferta turística e estadia de turistas na região.  

Tudo isso foi feito após um minucioso planejamento e uma equipe multidisciplinar, com especialistas em várias áreas. Levantamos informações e identificamos as singularidades que caracterizam a região: seja uma comida típica, um artesanato expressivo da região, atrativos naturais, histórias do território que tomaram vida.  

Depois dele, aconteceram: 

– A etapa de orientação técnica para construir coletivamente uma experiência. Isso envolve storytelling, o descritivo comercial e a organização do passo a passo como: tempo, recursos, estrutura disponível, logística etc.  

– Na sequência, a definição de valores e gestão de precificação.  Todo esse processo, deve estar muito bem amarrado, com olhos para o mercado e para o perfil de consumidores.  

– Depois de contempladas estas etapas, passamos para a parte mais prática de como tornar isso real: planejar a operação em si, definir canais de venda e formas de execução. 

– E, por último, a apresentação das experiências ao mercado, utilizando ferramentas visuais e digitais para apresentar de forma lúdica, que contemple tudo o que é oferecido e trabalhado por cada negócio. 

 

Assim como tantos outros segmentos, o turismo está em constante transformação. Se a vida muda, mudam também as formas de nos relacionarmos com outras pessoas, mudam os desejos e as maneiras de consumir serviços e produtos. E para continuar fazendo as pessoas sorrir e viver com os olhos brilhando, para nós, nada melhor do que apostar nas experiências transformadoras que viagens pode promover!